18.11.06


Tomar sol me deixa assim, meio devagar... Com o raciocínio lento, eu sei. Mas com uma tranqüilidade incrível, uma capacidade de observar os detalhes, os cheiros, os sabores. De ver em câmera lenta o rasante dos pássaros que bebem água na piscina, de ouvir chorinho e bossa nova e sentir que danço ali, estirada na cadeira... Lenta, rodopiante, sensual... E o sol me arde deliciosamente a pele. Mergulho: paz, silêncio, o mundo em câmera lenta... Minhas mãos, cabelos de sereia, reflexos da luz... Falta de ar! Respiro. Ahhhhh... E mergulho. O corpo volta a ficar vagaroso. Boa a sensação da água... E continuo assim, vendo tudo passar devagar.

Um comentário:

Simone disse...

Eeee, minha amiga também é poetisa. Médica e poetisa. Que orgulho! hehe Um beijão!