9.11.07

A Via Láctea


Poema recitado no belíssimo filme brasileiro "A Via Láctea"


Chuva Interior

"Quando saia de casa
percebeu que a chuva
soletrava
uma palavra sem nexo
na pedra da calçada.


Não percebeu
que percebia
que a chuva que chovia
não chovia
na rua por onde
andava.


Era a chuva
que trazia
de dentro de sua casa;
era a chuva
que molhava
o seu silêncio
molhado
na pedra que carregava.


Um silêncio
feito mina,
explosivo sem palavra,
quase um fio de conversa
no seu nexo de rotina
em cada esquina
que dobrava.


Fora de casa,
seco na calçada,
percebeu que percebia
no auge de sua raiva
que a chuva não mais chovia
nas águas que imaginava."


Mário Chamie

3 comentários:

Hélio Consolaro disse...

Agradeço a visita a meu blog e seu comentário. Visitei também o seu blog e linquei-o ao meu. Ótimo! Beijos

battonier disse...

Lindo.. Maravilhos.. adorei.. parabens..

Palavras de Osho disse...

Belíssimo poema.

Obrigado por compartilhá-lo conosco pela net.